Conheça os carros mais fáceis e baratos para consertar de 2016, segundo estudo Saiba quais veículos têm menor custo de manutenção em caso de batida gplus
   

Conheça os carros mais fáceis e baratos para consertar de 2016, segundo estudo

Saiba quais veículos têm menor custo de manutenção em caso de batida

Confira Também

Antes de adquirir um carro, é sempre muito importante que o futuro comprador pesquise sobre a marca, manutenção, desgastes, entre outros pontos relevantes, para evitar prejuízos e o veículo acabar saindo mais caro do que o planejado.

Pensando em ajudar o consumidor na escolha de um carro, o Centro de Experimentação e Segurança Viária (Cesvi) analisou a relação entre custo e facilidade de reparo de 33 modelos nos últimos doze meses.

O estudo foi feito segundo solicitação das próprias montadoras e é repetido mensalmente, com veículos fabricados no Brasil, Mercosul e importados. Não entram na pesquisa os modelos fora de linha de produção, esportivos fora-de-série, picapes e utilitários com peso superior a 2,300 kg. 

Para elaborar o índice de reparabilidade, o Cesvi testa como cada modelo reage a uma batida leve, uma vez que colisões deste tipo correspondem a 75% das ocorrências registradas nas grandes cidades. O indicador varia de 10 a 60, sendo que quanto menor a nota, mais fácil e barato é o conserto do carro.

Na prática, os veículos passam por teste de impacto em baixa velocidade (15 km/h), nos quais há colisão da dianteira esquerda e da traseira direita. Depois da batida, o carro é levado a uma oficina, onde são analisados os danos, o tempo e o custo da manutenção, além dos preços das peças que terão de ser substituídas. 

Mas o que tudo isso importa? Muito, meu amigo. Geralmente, carros mais fáceis e baratos para consertar permitem que comprador economize com seguro, por exemplo, já que custos com reparos têm forte influência sobre o valor da proteção.

Quer saber se o seu carro (ou futuro carro, quem sabe) está na lista? Então confira agora os dez modelos que receberam as melhores notas em 2016, segundo o Cesvi, e evite surpresas desagradáveis no seu orçamento.