13 fatos sobre o câncer de próstata Entenda o que faz o órgão, quais são as chances do homem ter câncer e por que não tem outro exame que substitua o toque retal gplus
   

13 fatos sobre o câncer de próstata

Entenda o que faz o órgão, quais são as chances do homem ter câncer e por que não tem outro exame que substitua o toque retal

Confira Também

Chega a ser assustador, mas 50% dos homens com 75 anos podem ter câncer de próstata. O exame retal dura apenas 10 segundos, então pare com essa resistência ignorante e faça o diagnóstico o quanto antes.

O conselheiro científico do Instituto Lado a Lado pela Vida e diretor do centro oncológico Antonio Ermírio de Moraes Dr. Fernando Cotait Maluf esclare 13 pontos sobre o assunto.

#1 Qual é a função da próstata?
É o órgão responsável pela produção de cerca de 70% do líquido seminal, e está ligada à fertilidade masculina.

#2 Qual a relação da próstata e da ereção?
Diretamente, nenhuma. A ereção do homem depende de fatores como secreção da testosterona, aporte sanguíneo satisfatório e condução adequada dos impulsos nervosos.

#3 Qual é a chance de um homem ter câncer de próstata?
Cerca de 10% dos homens após os 50 anos desenvolvem a doença. Conforme o envelhecimento, as chances crescem, podendo acometer 50% dos homens aos 75 anos.

#4 Existe algum exame que substitua o toque retal?
Não, nenhum outro exame consegue o diagnóstico com a mesma eficácia, pois o câncer de próstata pode ficar em área endurecida, região facilmente acessível ao toque retal. Cerca de 10 segundos são suficientes para que o médico busque regiões irregulares.

#5 O que é o exame de PSA?
É um exame de sangue específico que verifica o antígeno prostático específico. Quando o PSA é aumentado, existem chances do paciente ter o câncer de próstata.

#6 Ter um dos exames alterados (toque retal ou PSA) implica em ter câncer de próstata?
Não. O toque retal serve para identificar também outros problemas além do câncer de próstata. O PSA, por sua vez, tende a aumentar de acordo com o avanço da idade. Cerca de 75-80% dos homens com aumento do PSA não têm câncer de próstata.

#7 E no caso dos exames negativos, há a garantia que não haja câncer?
Não. Cerca de 20% dos homens com câncer de próstata sintomático apresentam PSA normal. Dependendo da região da próstata onde o câncer está localizado, ele não é palpável pelo toque retal. Neste caso, a melhor solução é sempre realizar os dois exames, já que são complementares.

#8 Qual a diferença entre tumor benigno e maligno?
Tumor significa o crescimento exagerado e desordenado das células, que pode ser benigno ou maligno. Quando benigno, ele pode causar a compressão de órgãos vizinhos de onde foi detectado o tumor, mas raramente acomete o estado geral do paciente. Quando é maligno, significa que tem capacidade para disseminar para outros órgãos, quando acontece a metástase.

#9 É possível que meu câncer nunca cresça?
Sim, isso acontece quando o tumor é chamado de "câncer indolente". Nessa situação, o médico pede repetição de biópsias com intervalos determinados, para ter certeza que o câncer não evolui.

#10 O câncer de próstata pode se espalhar para outros órgãos?
Sim, se ele for detectado tardiamente, a chance de ele fazer metástase, ou se espalhar pelo corpo, é grande.

#11 Existem vacinas contra o câncer de próstata?
Não há na medicina ainda uma vacina contra esse tipo de doença. Alguns pesquisadores tentam desenvolver esse procedimento usando as próprias células tumorais, mas ainda sem sucesso.

#12 Há o risco de adquirir disfunção erétil depois do tratamento do câncer de próstata?
Sim, esse risco existe, mas tende a ser menor se o tratamento for realizado logo que a doença é detectada. A disfunção erétil pode ser temporária enquanto o paciente está em recuperação. Mas, no caso de a disfunção ser permanente, há medicamentos, próteses e implantes que funcionam na maioria dos casos.

#13 A cirurgia impede o homem de ter filhos?
Como a próstata é um órgão do aparelho reprodutor, a cirurgia e os demais tratamentos afetam a capacidade de ejacular e, por isso, a fertilidade. Em alguns casos raros, a função reprodutiva pode ser preservada.