Guia completo para o divórcio Se até William Bonner e Fátima Bernardes se separaram, veja o que você precisa entender para evitar dores de cabeça no divórcio gplus
   

Guia completo para o divórcio

Se até William Bonner e Fátima Bernardes se separaram, veja o que você precisa entender para evitar dores de cabeça no divórcio

Confira Também

Ninguém casa para se separar, mas o mundo dá volta e as pessoas mudam. Que o diga o casal símbolo do jornalismo brasileiro, William Bonner e Fátima Bernades, que anunciaram pelo Twitter o fim de um casamento de 26 anos na noite de segunda-feira (29 de agosto de 2016). 

Bonner e Fátima são o exemplo de que qualquer ser humano companheiro de anos atrás pode virar outra pessoa com as circunstâncias que a vida apresenta - e isso vai se refletir no relacionamento. Às vezes, de maneira negativa. A separação pode acontecer, então, meu amigo, é melhor estar preparado. 

#Antes do casório
O acordo pré-nupcial é uma segurança para preservar seus bens. Ele é feito no caso em que a pessoa possui empresa, tem dinheiro para herdar, têm filho de outro casamento ou no caso em que tem uma grande diferença de salário entre o casal. O exemplo de caso entre famosos é o casamento de Brad Pitt e Angelina Jolie. O acordo pré-nupcial entre eles vale cerca de 700 milhões de reais. Apesar de algum receio de Jolie no início, Pitt encomendou o documento que especifica que em caso de divórcio, os dois irão manter a fortuna que tinham antes do casamento. Eles tem um total de 6 filhos e esse tipo de acordo é fundamental para garantir a igualdade entre todos os envolvidos. Em caso de injustiça ou de incapacidade de uma das partes no ato do acordo, futuramente o juiz tem o poder de cancelá-lo.

#Contrato de união estável
Esse tipo de contrato é muito comum porque inúmeras pessoas decidem morar juntas para depois pensar em casamento. Servem para decidir como será administração financeira, regime de bens, e sustento de filhos de um casamento anterior. A única condição para validade é que o contrato seja registrado em cartório. Fora isso, pode ser feito pelo próprio casal, em qualquer lugar e sem a presença de testemunhas. Para evitar más intepretações em caso de separação, é recomendável pedir ajuda a um advogado especializado.

#Quem tem direito a quê?
Quando existe um regime de total separação de bens, cada um permanece com os bens que estão em seu nome. O mais comum é o separação parcial de bens. Nesse caso tudo o que o casal conquistou de forma conjunta durante o matrimônio deverá ser dividido. Se um dos dois recebeu uma herança ou doação, por exemplo, essa não deve ser partilhada. Na comunhão total de bens, exatamente tudo o que o casal tinha antes e conquistou depois deverá ser dividido. Já no regime misto, o casal pode optar entre um tipo por uma determinada data e depois alterar para outro.

#Quem ficará com os filhos?
A guarda compartilhada é considerada a melhor opção para a criança. Ela mora com um, mas o outro não tem restrições de visitas e as responsabilidades financeiras e de criação se dividem entrem ambos. No caso de briga ou incapacidade, um juiz irá determinar quem vai conseguir a guarda levando em consideração a afinidade com a criança, qualidade de vida entre outros critérios. 

#Pensão alimentícia entre cônjuges
O fato de casar simplesmente não garante o direito à pensão. Ela deverá ser requerida tanto pelo homem como pela mulher no caso em que um depende financeiramente do outro. O valor e a duração vão depender de fatores como condições físicas, possibilidade de inserção no mercado de trabalho entre outros. Geralmente o bom senso faz com que uma das partes pague pensão durante um período razoável em que seja possível o restabelecimento da outra.

#Pensão alimentícia para os filhos
A qualidade de vida da criança é a prioridade aqui. A pensão é obrigatória e gira em torno de até 33% dos rendimentos do salário do pai ou da mãe, mas essa porcentagem pode cair para 10 até 15%  de acordo com a quantia. A regra geral é: quem ganha mais, paga mais. O valor da pensão também é reconsiderado pelo juiz quando o salário das partes era muito é muito alto e de repente cai drasticamente. 

#Como saber se seu advogado é bom?
A primeira coisa que o profissional deve fazer é se dedicar para ouvir o cliente. Entendemos que os afazeres são muitos, mas se ele procura fazer outras tarefas durante o atendimento isso não é bom sinal. Gente que tenta fazer tudo ao mesmo tempo não consegue uma boa qualidade no serviço porque o ideal é direcionar todo o potencial para uma tarefa de cada vez. Quando o advogado não tem tempo suficiente para pegar seu caso, já desista porque a possibilidade dele te deixar na mão é grande. Se para cada nova etapa vão surgindo taxas desnecessárias que só fazem aumentar o preço do serviço, desconfie. No caso em que a obsessão pelo dinheiro vem na frente do foco em resolver o problema, o resultado final pode não ser tão satisfatório.

#E os nomes?
No caso em que uma das partes é reconhecida profissionalmente com o sobrenome do cônjuge, é possível manter o mesmo nome. Para isso basta a pessoa querer.