10 séries brasileiras que merecem serem assistidas Não apenas de produções americanas vive o fã de séries. Confira algumas séries brasileiras merecem a chance de entrar na sua lista gplus
   

10 séries brasileiras que merecem serem assistidas

Não apenas de produções americanas vive o fã de séries. Confira algumas séries brasileiras merecem a chance de entrar na sua lista

Confira Também

Há prazer em assistir a uma série benfeita, você deve concordar. E serviços de streaming já provaram que qualidade pode ser também um negócio rentável. Porém, afora as aclamadas produções originais da Netflix, outras séries, tanto da TV aberta quanto da TV por assinatura, já apresentaram exemplos que demonstram sua capacidade em produzir conteúdo que destoa da maioria das produções nacionais, ainda que em menor quantidade.

Para atender à demanda de um público cada vez mais exigente (e com razão), muitas produções têm investido pesado em histórias, elencos, efeitos visuais e locações para garantir que o resultado fosse o melhor possível. Assim, é comum que vejamos cada vez mais séries nacionais com visuais hollywoodianos, temas mais pesados e histórias pouco comuns de serem trabalhadas na TV brasileira.
  
Confira algumas séries nacionais que se destacaram por sua qualidade surpreendente e que, por isso, merecem a chance de entrarem na sua lista.

Justiça (Globo, 2016)
Muito diferente das tradicionais dramaturgias exibidas na TV, Justiça apresenta um emaranhado de quatro histórias que se cruzam pra trazer ao público os dramas, as traições, os assassinatos e armações relacionados a dilemas morais que invadem as vidas de Vicente (Jesuíta Barbosa), Fátima (Adriana Esteves), Rose (Jéssica Éllen) e Maurício (Cauã Reymond). 

O Negócio (HBO, 2014)
A trama une três belas mulheres, Karin, Luna e Magali, que juntas buscam dar uma guinada em suas vidas profissionais por meio da aplicação de uma nova estratégia de marketing na profissão mais antiga do mundo: a prostituição. Com três temporadas completas e uma quarta a caminho, a série acompanha as personagens em sua jornada para se tornarem mulheres de negócios.

Amores Roubados (Globo, 2014)
Baseado no livro A Emparedada da Rua Nova, uma lenda urbana recifense, a série conta a história de desejo, ciúmes e vingança de Leandro (Cauã Reymond), nascido no sertão, mas criado em São Paulo por sua mãe, a prostituta Carolina (Cássia Kis Magro), que retorna para seu lar e se envolve com Celeste (Dira Paes), Isabel (Patrícia Pillar) e Antônia (ísis Valverde).

Dupla Identidade (Globo, 2014)
A história de Edu (Bruno Gagliasso), que se envolve com Ray (Débora Falabella), uma jovem que nem desconfia que seu amado é, secretamente, um “serial killer”. Edu é perseguido por Dias (Marcello Novaes), um delegado que almeja uma promoção e que recebe a ajuda de uma antiga paixão, Vera (Luana Piovani), uma psicóloga forense dedicada a resolver esse caso.

Ligações Perigosas (Globo, 2016)
Inspirada no clássico da literatura francesa As Ligações Perigosas (adaptado 11 vezes para o cinema), de Pierre Choderlos de Laclos, a série é ambientada no litoral paulista em 1928 e conta a história de amor e vingança dos manipuladores amorosos Isabel (Patrícia Pillar) e Augusto (Selton Mello), que armam um plano contra o casamento de Cecília (Alice Wegmann).

Força Tarefa (Globo, 2009)
A série mostra o cotidiano de equipe da corregedoria da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ) chefiada pelo Coronel Caetano (Milton Gonçalves) e pelo Tenente Wilson (Murilo Benício). Encarregados de ir atrás de delitos policiais, as três temporadas acompanham os personagens através de suas investigações, perigos, dramas pessoais, culpas e mistérios.

Psi (HBO, 2014)
Criada pelo escritor, psicanalista e dramaturgo italiano Contardo Calligaris, a série narra a vida do psicólogo Carlo Antonini (Emílio de Mello) dentro e fora de seu consultório, quando precisa conciliar seus problemas pessoais com a investigação de crimes e casos complexos na capital paulista. Seus únicos momentos de tranquilidade são as conversas com a colega Valentina (Cláudia Ohana).

Supermax (Globo, 2016)
Com toques de ficção, a série traz 13 participantes de um reality show presos em uma prisão desativada na Floresta Amazônica, da qual apenas um deverá sair vivo com o prêmio de R$ 2 milhões. No passado, todos cometeram crimes graves, mas quando a equipe do reality desaparece, eles ficam à própria sorte contra o que quer que esteja atrás deles.

Sessão de Terapia (GNT, 2012)
Baseada em uma série israelense e ambientada em um consultório de psicanálise, a minissérie acompanha as angústias e emoções presentes nas histórias de cinco personagens pacientes de Theo (Zé Carlos Machado). Com três temporadas completas, a série acompanha Theo em sua relação tanto com seus desesperados pacientes quanto com sua perturbada família. 

A Teia (Globo, 2014)
Baseada nos feitos de um personagem real, a série policial conta a história do delegado Jorge Macedo (João Miguel), responsável por desmontar uma quadrilha que havia realizado um grande assalto a um aeroporto. Porém, na tentativa de capturar o criminoso Marco Aurélio Baroni (Paulo Vilhena), coloca sua reputação em risco.

Bônus: O Caçador (Globo, 2014)
Inspirada nas séries de ação americanas, conta a história de André (Cauã Reymond), um ex-policial que sai da cadeia após ser preso injustamente e decide se tornar um caçador de recompensas com a ajuda do Delegado Lopes (Aílton Graça), que lhe dá dicas de possíveis trabalhos enquanto o ajuda a descobrir quem o incriminou.