gplus
   

Vitrine de Doria, zeladoria tem alta nas reclamações

19/06/2017 00:00

Confira Também

No primeiro dia útil de seu governo, o prefeito João Doria (PSDB) acordou cedo, vestiu-se de gari, pegou na vassoura e – como Lulu Bergantim do conto de José Cândido de Carvalho – anunciou que era hora de limpar a cidade e prometeu correr os quatro cantos em ações de zeladoria.

Depois deste que foi o lançamento do Cidade Linda, programa de revitalização de avenidas e seus entornos que ocorre todo fim de semana, vieram o Calçada Nova (autoexplicativo) e um mutirão para tapar buracos de rua, anunciado em março.

Cinco meses depois de sua posse, porém, são os problemas de zeladoria, que a sua gestão prometeu atacar como prioridade, que mais cresceram em reclamações na Ouvidoria.

Leia mais
Doria passa em prova e recupera direito de dirigir
Alckmin e Doria: fluxo não voltará à Cracolândia


De janeiro a maio, as queixas sobre buracos de rua passaram de 31 para 373 – aumento de mais de 1.000%. Sobre podas de árvores, o total de registros subiu de 12 para 253 e o de capinação, de 20 para 155.

Em percentual, o maior crescimento é o de reclamações sobre calçadas, que passou de uma única queixa em janeiro para 62 em maio – alta de 6.100%. As demandas de varrição foram as que cresceram menos, 335%: de 14 para 61.

gráfico reclamações contra gestão Doria


A Ouvidoria é como uma segunda instância. Nos casos de zeladoria, os registros são de protocolos abertos por moradores que não tiveram seus pedidos atendidos pela respectiva prefeitura regional e buscaram o órgão para reclamar.

O Metro Jornal pediu que seus leitores se manifestassem pelas redes sociais sobre as condições de zeladoria da cidade e ouviu queixas de moradores de diferentes bairros e apenas um elogio. Confira alguns abaixo:

@About3: “Na Vila Prudente, o novo piscinão em nada ajudou com as enchentes; o asfalto há muito tempo não tem manutenção; e os faróis de duas grandes avenidas (Anhaia Melo e do Estado) frequentemente apagam”.

@Egregolini: “Os problemas reais continuam: buracos nas ruas, parada de caminhão em locais proibidos, dificultando/impedindo a passagem, falta de policiamento”.

@BoulosYone: “Moro na Vila Romana há 30 anos e nenhum cuidado venho notando. Em frente ao meu prédio há um buraco que não tem jeito”.

Em reportagens no início do mês, o jornal mostrou problemas com buracos e calçadas na cidade, como uma vala na esquina da Avenida Paulista com a rua da Consolação, que está aberta há seis meses.

Professor de ciência política do Mackenzie, Rogério Baptistini afirmou que “a cidade sofre processo histórico de degradação, agravado pelo cenário econômico” e que a bandeira da zeladoria erguida por Doria é legítima.

“Mas o prefeito não tinha a dimensão da dinâmica da administração pública, que envolve conhecimento da lei e poder de negociação. O tempo de resoluç&atil