Sexo no trabalho 80% dos brasileiros já fez sexo no trabalho. Mulheres são mais propensas que os homens e preferem estagiários gplus
   

Sexo no trabalho

80% dos brasileiros já fez sexo no trabalho. Mulheres são mais propensas que os homens e preferem estagiários

Confira Também

Não é preciso se amassar com alguém nos corredores da empresa em horário comercial para ficar constatado que o colaborador já fez sexo no trabalho.

Para desmascarar os números das fofocas de corredores, a empresa de recrutamento Glassdor, fez uma pesquisa para contatar quantas pessoas nas empresas americanas já tiveram relações em ambiente corporativo e os resultados surpreenderam, um em cada dez americanos já fez sexo no trabalho.

E quem não fez, pensou! 22% dos entrevistados assumiram a falha. Outros 40% afirmaram ter mantido relação amorosa com um colega de trabalho e 37% confessaram estar de romance na empresa. 

Enquanto os norte-americanos confessam o assanhamento em horário das atividades, os brasileiros chamam atenção: 80% dos homens e mulheres entrevistados para uma pesquisa semelhante feita sob encomenda da Revista Playboy admitiram cair na tentação.  Mais de dez mil homens e mulheres participaram da pesquisa on-line.

A surpresa é que ao contrário do que se pensa, as mulheres são mais propensas que os homens a manter relações sexuais no trabalho, e com estagiários!

A pesquisa também constatou que dois terços das mulheres entrevistadas já haviam tido encontros sexuais com um colega de trabalho. Entre os homens entrevistados, metade já se relacionou sexualmente com colegas de escritório, segundo a revista, que entrevistou mais de 10 mil homens e mulheres em uma pesquisa online realizada em agosto. 

Acompanhe os números sobre a pesquisa na próxima página.



- 20% das entrevistadas já mantiveram relações sexuais com um estagiário.

- Apenas 12% dos homens fizeram o mesmo. 

- 46% das mulheres que tiveram relações sexuais com pessoas do ambiente de trabalho fizeram isso com os próprios chefes, comparado a 18 dos homens. 

A Playboy atribuiu a disparidade de números ao fato de haver mais homens em cargos de chefia. Para as mulheres, o local favorito para se fazer sexo no escritório seria a mesa, enquanto os homens prefeririam um sofá ou uma cadeira.