Os males causados pelo charuto Apesar de estar associado a status, prazer e estilo, o charuto é um vilão para a saúde. Por não ter filtro, faz ainda mais mal que o cigarro. gplus
   

Os males causados pelo charuto

Apesar de estar associado a status, prazer e estilo, o charuto é um vilão para a saúde. Por não ter filtro, faz ainda mais mal que o cigarro.

Confira Também

Apreciadores de charuto afirmam com convicção que ele é menos nocivo à saúde que o cigarro. Existem diferenças e o charuto é até mais perigoso. 

O consumo do tabaco em ambas as opções tem o mesmo potencial, o que diferencia o charuto do cigarro são as circunstâncias de seu consumo. Sergio Ricardo Santos, pneumologista, professor de pneumologia da UNIFESP e coordenador de comissão de tabagismo da Escola Paulista de Pneumologia afirma que o fator que faz com que o charuto seja mais prejudicial é a ausência de filtro. “No cigarro convencional o filtro é o responsável por minimizar os danos causados pelas substâncias tóxicas que o produto oferece. Tanto no Brasil como lá fora, a presença do filtro em cigarros é obrigatória. Já o charuto não conta com esta ‘proteção’, afirma o médico. 

Ao contrário do que se diz por aí, não é nada “chique” fumar charuto. O mal causado pelo tabaco e pela nicotina pode ser fatal se consumido em altas doses. “A pessoa que consome o charuto pela primeira vez estranha, demora para se acostumar com o cheiro e o gosto que ele proporciona. Mas depois que se cria um ritual de teste, de adaptação e de ambiente, também vira vício. “Nós, médicos, costumamos dizer que o charuto não serve para amadores por causa de todo esse processo”, diz o Dr. Sergio. 

O fotógrafo Gladstone Campos tem 54 anos e fuma charuto há 15. “Experimentei o primeiro charuto em 1996, com um grupo de amigos que fumavam e bebiam vinho do Porto. Gostei logo de cara! Ao contrário do cigarro, nós, apreciadores, fumamos na hora do descanso, da tranquilidade total”, completa o fotógrafo que admitiu que não fuma dentro de casa por que tudo, ao redor, fica com cheiro de fumaça velha. 

Dr. Sergio explica que mesmo não tragando o charuto, os males não deixam de existir; “Isso é um mito. A fumaça chega sim até os pulmões, claro que em menor escala, mas chega”, afirma o pneumologista. Sem contar que o fato de deixar a fumaça armazenada na boca pode causar outros tipos de doenças, como câncer de boca e garganta.

O responsável por proporcionar danos à saúde é o tabaco, não só aquele que está presente no cigarro ou no charuto, mas sim em todos os tipos de fumo existentes, como cigarro de palha, fumo de corda e outros. Entre as mais de 4.000 substâncias que existem nos diversos tipos de fumo, a nicotina é a responsável por causar dependência no usuário. 

Segundo o pneumologista, são três os grupos de doenças que mais acometem o paciente usuário de tabaco: doenças cardiovasculares (infarto agudo do miocárdio, derrame cerebral, trombose e embolia), câncer e doenças respiratórias (bronquite crônica e enfisema pulmonar). 

Problemas bucais
A boca, a gengiva e dentes dos fumantes também sofrem com os efeitos negativos do charuto. Dr. Fábio Bibancos, dentista especialista em estética, listou os perigos que quem fuma pode enfrentar, tragando ou não fumaça de todos os tipos de fumo.

  • Escurecimento dentário e doenças graves da gengiva. O tabaco e as diversas substâncias tóxicas que acompanham o ar aquecido de um charuto entram em contato com a gengiva e criam uma irritação crônica, que potencializa esses graves problemas de boca.
  • Os dentes, além de sofrer com escurecimento e manchas, podem até amolecer. 
  • O uso do tabaco é capaz de dificultar a cicatrização (do corpo todo e não só da boca) 
  • Modifica o paladar
  • Aumenta em até 22 vezes o risco de câncer de boca, língua, glândulas salivares e trato respiratório.
  • Manchas nos dedos das mãos e mau cheiro, que podem ser constatados meses após o abandono do vício. 
  • Mau hálito

É necessário ressaltar que mesmo que os fumantes de charuto não traguem a fumaça, o tabaco e seus malefícios continuam presentes, especialmente na boca. A ciência comprova não haver significativas diferenças entre as formas de fumar e seus efeitos, seja como fumante passivo ou usando tabaco sem fumaça (mastigável ou rapé), cachimbos, narguilé, cigarro convencional ou charutos.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) reconhece a nicotina como uma droga psicoativa que causa dependência, independentemente do modo como é consumida, pois não existe uma forma segura para seu uso.

A Escola Paulista de Medicina disponibiliza atendimento gratuito e exclusivo para os fumantes que desejam largar o vício com distribuição de medicamentos sem custo algum. Para saber mais sobre o ambulatório de tabagismo, ligue para (11) 5904-8046.