Cromossomo da felicidade Nós somos mais engraçados, porém um novo estudo revela que são as mulheres que tendem a ser mais felizes gplus
 
 
 

Cromossomo da felicidade

Nós somos mais engraçados, porém um novo estudo revela que são as mulheres que tendem a ser mais felizes

Mesmo conhecendo as 36 vantagens em ser homem e sabendo que nós somos comprovadamente mais engraçados que as mulheres, você ainda sente falta de algo perdido no passado? Pois segundo pesquisadores da Universidade do Sul da Flórida, a felicidade masculina realmente dura pouco em comparação a delas. 

Sim, elas são mais preguiçosas e vivem mais, e a explicação mais uma vez se encontra na genética. No ser humano, o gene monoamina oxidase A (MAOA)  -- cuja função é controlar a liberação de substâncias responsáveis pelo relaxamento e o prazer, como a dopamina e a serotonina -- é diferente entre os sexos. O estudo norte-americano descobriu que sua variação recessiva faz com que esses neurotransmissores permaneçam por mais tempo em ação no cérebro. Por causa disso, o indivíduo se sente melhor do que os herdeiros da versão dominante do gene.

Pelo visto, no “romance” da evolução os homens nunca irão assistir o mesmo final feliz que as mulheres, já que o mecanismo só vale para elas -- ativo ou não, ele não produz mudanças aparentes no organismo masculino. No entanto, não é qualquer periguete que pode vir “pagar” de guru espiritual para o nosso lado, uma vez que apenas naquelas cujo MAOA é menos proeminente é que a sensação de felicidade se apresenta acima da média. 

De acordo com Henian Chen, chefe da pesquisa, o período que tende a ser o mais feliz para os homens é o que antecede a adolescência, quando os níveis de testosterona ainda estão baixos. Isso faz sentido, pois coincide com uma fase em que o jovem exemplar de homem ainda não faz uma ideia real do que está por vir no competitivo mundo dos adultos que o espera -- e talvez seja tão preguiçoso quanto as garotas.